terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Paralisação de ônibus em Florianópolis

Passageiros ficaram sem ônibus por volta de 12h10min:imagem 5
uma nova assembleia está marcada para o fim da tarde, mas os dirigentes não deixam claro se haverá novas interrupções no serviço dos ônibus :imagem 8
Fotos: Guto Kuerten






Por: Ismênia Nunes



A população de Florianópolis foi surpreendida hoje com uma paralisação de ônibus bem na hora do almoço. Sem mais nem menos os usuários se viram reféns desta situação mais uma vez. A paralisação durou cerca de uma hora e apesar de não ser uma greve trouxe muitos contratempos ao povo Florianópolitano. Muitos iam para suas casas almoçar e quando perceberam ao chegar ao ponto de ônibus se depararam com a notícia: - Os ônibus estão paralisados por uma hora. As filas foram aumentando a cada instante. As pessoas que lá estavam logo foram pegando seus celulares para avisar a mãe, o filho, o patrão. A indignação era grante.

Imediatamente entramos em contato com a imprensa, televisão e rádio. A rádio Guarujá nos colocou ao vivo para falar do que estava acontecendo.  Era final do Programa "Papo de Bola", aproximadamente às 11:50, quando deu-se início ao debate. Programa este apresentado por Moacir César de Oliveira. O assunto voltou às 13h com o "Jornal da Guarujá - SBT". O canal da Guarujá ficou aberto aos ouvintes que opinaram sobre a paralisação dos ônibus até o final do programa às 14h .

Ouvimos a manifestação da assessoria de imprensa da categoria que alegou que houve um aviso anterior no principal jornal da cidade. Mas esqueceram-se que a maioria do povo não lê jornal. Era necessário uma divulgação mais ampla, em televisão, rádio. A rádio está sempre a disposição para estes assunto. Mais uma vez o povo foi pego de surpresa, deixado de lado, ignorado. Onde está o respeito a população?

Afinal, qual era o objetivo dos manifestantes? Segundo a categoria, os acordos firmados anteriormente não foram cumpridos pela empresa. Disseram também ter entrado em contato com a Secretaria dos Transportes e não obterem êxito, o que não foi confirmado pelo secretário João Batista. Reclamavam não ter local para estacionar os ônibus e nem mesmo banheiros. Voltamos ao ponto inicial, mas e onde o povo entra nessa? Afinal o povo acabou vitimado, o que todos temos com isso tudo?

O secretário de transporte de Florianópolis, João Batista Nunes manifestou-se à Rádio Guarujá dizendo não ter recebido nenhuma manifestação formal da categoria. Mas que iria haver uma reunião com o sindicato para tentar resolver o assunto.

Os motoristas e cobradores foram visualizados em assembleia, junto ao terminal. Eram cerca de vinte e cinco ou trinta pessoas, minutos antes da paralisação. O que vem confirmar a fala do secretário pois que o mesmo alegou que a paralisação foi decidida pelos manifestantes em assembleia e não houve uma resolução ou uma reenvindicação prévia.

A forma que a manifestação se deu só fez colocar toda a população contra o movimento pelo fato do povo não ter sido informado. Os manifestantes querem defender seus direitos e devem fazer isto, mas de forma que não prejudiquem o povo. 

2 comentários:

  1. Até quando iremos ficar reféns dessas paralizações repentinas?
    Bem vindo a Florianópolis!

    ResponderExcluir